Dor Crônica: como identificar e tratar?

dor crônica

Sentir dor é uma experiência sensitiva e emocional desagradável. Se você sente ou convive com  alguém próximo que tem uma dor que não melhora, sabe que o sintoma pode interferir em outras esferas da vida. 

 

Alterações no humor como ansiedade, depressão e diminuição da qualidade do sono são as principais repercussões na saúde de quem sofre com dor crônica. 

 

Outro ponto importante é a dificuldade de locomoção ou a imobilidade que agravam ainda mais o isolamento social e a ausência no trabalho. 

 

Por isso, é fundamental ter um diagnóstico correto e um tratamento adequado para que o indivíduo possa recuperar a qualidade-de-vida e o bem-estar.

 

Vamos ver a seguir, o que pode ser considerado dor crônica e os tratamentos existentes.

 

O que é dor crônica?

 

Existem dois tipos de dor: aguda e crônica. A dor aguda surge repentinamente, após algum trauma ou acidente. Em geral, um mês costuma ser suficiente para que essa dor vá embora, desde que ela tenha o tratamento adequado.

 

Já a dor crônica é aquela que persiste ou é recorrente por um período maior que três meses. Também pode ser considerada dor crônica aquela que perdura por mais de um mês após a resolução de uma lesão aguda ou acompanha uma lesão que não tem cura.

 

Principais causas de dor crônica

 

A causa inicial de uma dor que se torna crônica é, em geral, uma lesão que pode ser uma distensão muscular ou uma torção, por exemplo. Posteriormente, quando os nervos da região são danificados, a dor se torna mais intensa e duradoura, se tornando crônica. Quando isso ocorre, o tratamento convencional para a lesão pode não resolver a dor.

 

Existem outros casos, porém, em que a dor crônica não vem de uma lesão e sim como sintoma de uma condição de saúde. Veja a seguir algumas doenças que podem originar a dor crônica:

 

  • Endometriose
  •  Fibromialgia
  •  Doença inflamatória intestinal
  • Cistite intersticial
  • Disfunção da articulação temporomandibular (ATM)
  • Artrose
  • Fibromialgia
  • Dores torácicas
  • Artrite reumatoide
  • Doenças osteomusculares
  • Complicações do nervo ciático
  • Problemas de coluna vertebral
  • Disfunções renais e hepáticas
  • Doenças ósseas como osteoporose
  • Transtornos e lesões dos discos intervertebrais
  • Dores neuropáticas
  • Neuropatias diabética e alcoólica
  • Dor oncológica

 

Fatores de risco da dor crônica:

 

As condições que provocam dores crônicas são mais comuns em pessoas que foram vítimas de acidentes, quedas ou que integram o grupo de risco para as doenças permanentes, ou seja, de evolução prolongada, para as quais ainda não existe cura e que comprometem severamente a saúde e a funcionalidade.

 Além dos motivos citados, a idade avançada também é um fator de risco importante, pois é nessa etapa que existem mais  comorbidades que dificultam o sucesso do tratamento e influenciam a dor repetida.

Outras causas para o surgimento da dor crônica são: depressão, tabagismo, obesidade, sedentarismo  e trabalhos extenuantes.

Sintomas de dor crônica

 

Os principais sintomas de quem sofre com algum tipo de dor crônica são:

 

  • Dor muscular
  • Dor articular
  • Fadiga
  • Insônia
  • Queimação
  • Pontada
  • Ansiedade
  • Irritabilidade
  • Depressão
  • Insônia

 

Tratamentos para dor crônica

 

Antes de iniciar qualquer tratamento ou uso de medicação é necessário a compreensão da causa da dor, seja uma lesão desencadeadora ou uma doença subjacente.

 

No geral, os quadros de dor crônica são muito complexos, necessitam de profissionais capacitados e de uma  equipe multidisciplinar.

 

As possibilidades de tratamento existentes atualmente são:

 

  • Medicamentos como analgésicos, antiinflamatórios, relaxantes musculares e antidepressivos e cannabis medicinal
  • Fisioterapia
  • Terapia ocupacional
  • Uso de órteses
  • Acupuntura
  • Infiltração articular
  • Bloqueio neural e agulhamento seco
  • Modulação neural de hérnia de disco ou dor articular
  • Outras técnicas como relaxamento, massagem ou meditação

 

Importante frisar que medicamentos sozinhos não são eficazes para tratar dor crônica. Os resultados são muito melhores quando são combinadas diferentes abordagens como a fisioterapia, técnicas de relaxamento e gerenciamento da ansiedade e do estresse.

 

As diversas terapias associadas são capazes de melhorar sintomas que acompanham a dor crônica como o humor, a qualidade do sono e a capacidade funcional que somente o uso de medicamentos na maioria das vezes não consegue.

 

Mudanças no Estilo de Vida

Mudar alguns hábitos pode melhorar significativamente a qualidade-de-vida e os sintomas de quem sofre com a dor crônica.

 

Dormir regularmente e evitar tirar sonecas durante o dia, parar de fumar, se alimentar de maneira saudável  e praticar atividades físicas com frequência vão melhorar não só o bem-estar físico como a saúde mental.

 

Faça as mudanças de maneira gradual e no seu limite. Um estilo de vida mais saudável também irá evitar o surgimento de novas doenças.

 

Suplemento alimentar para dor crônica

 

Existem algumas substâncias que combatem a dor e são encontradas em nossa alimentação e podem ser suplementadas. 

 

Entre esses compostos estão a PEA, também produzida pelo nosso organismo, a cúrcuma e as vitaminas do complexo B, que são os componentes da fórmula do suplemento alimentar Endocan.

 

 A PEA, ou palmitoiletanolamida, atua como analgésico e antiinflamatório , bloqueando a dor diretamente no sistema nervoso central. Essa substância está presente em quantidades pequenas  em alimentos do nosso dia-a-dia como a gema de ovo, o amendoim, a soja, a lentilha, a ervilha, o tomate e o milho.

 

A cúrcuma, popularmente conhecida como açafrão, é um condimento utilizado na culinária de diversas culturas há milhares de anos e também possui propriedades antiinflamatórias e analgésicas,

 

As vitaminas do complexo B, além de agirem contra a inflamação e a dor, também melhoram a imunidade e a dor muscular.

 

Por isso, os componentes de Endocan proporcionam resultados comprovados no combate a doenças como a tendinite, artrite, fibromialgia, dor lombar, entre outras dores articulares e crônicas.

 

Além disso, Endocan possui tecnologia exclusiva LipiSperse, ou seja, maior absorção e melhores resultados com menores dosagens.

Endocan é aprovado pela ANVISA e não necessita de prescrição médica.

Saiba mais sobre Endocan aqui 



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp